quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Creme Mosaico de Gelatina

Sempre achei esta sobremesa muito bonitinha e gostosa. 
Lembro que comíamos na época da faculdade, quando minha amiga e ex-mestre cuca Aninha fazia na época do Oscar ou quando inventávamos qualquer outra desculpa pra gente se reunir.
Eu imaginava toda uma perícia para partir as gelatinas sem deixá-las derreter, mas descobri que a receita pode ser feita de maneira muito simples.
Arrisquei neste Natal da AOGMA (grupo de amigos que fizemos faculdade de Direito juntos) e foi sucesso (de crítica e de público!).
Compartilho, então, o "modus faciendi" (para seguirmos no clima jurídico... o que me deu agora?) desta sobremesa deliciosa, quase light e super alto astral.

Ingredientes para as gelatinas:

Gelatinas de diferentes sabores. Neste caso, usei 5. Foi meio exagerado, mas ficou bem colorido e com gostinho de salada de frutas. Coloquei as de limão (verde), abacaxi (amarelo), framboesa (vermelho), uva (roxo) e tutti-frutti (azul). Na véspera, preparei as gelatinas como mandam as caixinhas, só que com um pouco menos de água. Usei, para cada uma delas, feitas separadamente, 200 ml. de água fervente e, após mexer um bocado, 200 ml. de água gelada. Colocamos cada uma das gelatinas em pirex (de vidro) ou potes (de plástico) ou assadeiras (de alumínio) e levamos à geladeira. Estes recipientes devem ser umedecidos com água (acho que para facilitar na hora de desenformar). Eu dei preferência aos mais compridos e baixinhos, para ficar mais fácil na hora de cortar.

No dia seguinte, passei uma faca, fazendo quadradinhos na gelatina, para depois, com cuidado, passar um lambe-lambe (espátula), retirando-os das formas e colocando dentro do creme que vamos aprender agora:

Ingredientes do creme:
1 lata de leite condensado
1 lata (ou 1 e 1/2 caixinha) de creme de leite
1 envelopinho (12g.) de gelatina incolor dissolvida em 5 colheres de sopa de água quente.

Joga tudo isso no liquidificador e bate bem. Despeje o creme em uma terrina bonita, como se fosse uma grande taça de sorvete. E aí, dentro dela, colocamos as gelatinas já cortadas em cubinhos.

Leva-se à geladeira por cerca de 3 horas e sirva. 

Mais simples, impossível!

sábado, 12 de novembro de 2011

Café

Simples, né?
Às vezes nem tanto... 
Coloco aqui minha "receita" de café coado (na verdade, a minha medida) e, o mais importante, a temperatura e dulçor que descobri recentemente serem perfeitos pra mim.

Para 1 cafeteira de quase 1l., costumo ferver 1l. de água (mas sempre sobra água quente e aproveito para, antes de coar o café, dar uma "lavada" de água quente na garrafa térmica).
Uso 2 c. sopa cheias de pó de café

Filtro o café e, assim que fica pronto, coloco em uma caneca cerca de 200 ml. de café puro, preto, recém coado, com 24 gotas de adoçante de sucralose (o aspartame amarga demais) e acrescento duas pedrinhas de gelo. Aí sim, fica docinho sem travar, e quentinho sem queimar a língua.

Fiquei tão feliz com a descoberta das medidas certas que resolvi compartilhar :)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ají de Gallina


Este é um prato típico da deliciosa culinária peruana. A receita original, de um livro peruano, traz o "ají mirasol" molido. Como não sei o que é e nem mesmo se o encontramos aqui, que podia fazer? Desconsiderei o ingrediente.

Peito de frango cozido e desfiado
1 x. de caldo de galinha
1/2 x. de óleo
1/4 x. de leite "evaporado" (já já eu explico o que é)
2 cebolas picadas
2 dentes de alho picados
2 pães de forma umidecidos em água e esmigalhados
2 colheradas de nozes picadas
4 colheradas de queijo parmesão ralado
1 pimentão amarelo picado
Sal e pimenta-do-reino a gosto

Para fazer leite "evaporado": este leite se faz usando a medida indicada (1/4 x. de leite) adicionando mais 2 ou 3 colheradas bem cheias de leite em pó. É como se fosse dar uma "engrossada" no leite.

Em uma panela, aqueça o óleo e frite as cebolas, os alhos e o pimentão. Junte o sal e a pimenta. Acrescente o caldo até que ferva. Em seguida, coloque os pães, mexendo sempre.Após cozimento, adicione o frango, as nozes e o queijo. Por fim, coloque o leite "evaporado" sem deixar ferver. Sirva acompanhado de batatas e arroz. Pode ser decorado com ovos cozidos e cortados em rodelas e azeitonas pretas.

Lingüine ao Molho de Limão

Lingüine
5 c. de sopa manteiga
1 caixinha de creme de leite
1/3 x. de suco de limão siciliano
raspas de casca de limão
sal, pimenta-do-reino e noz moscada a gosto

Derreta a manteiga e adicione o creme de leite. Mexa até reduzir um pouco. Junte o suco de limão e as raspas. Tempere e acrescente o molho à massa cozida "al dente".

Muffins de Laranja

Ingredientes
·        4 ovos
·        meia xícara (chá) de manteiga
·        1 lata de leite condensado
·        1 xícara (chá) de suco de laranja
·        1 colher (sopa) de raspas da casca de laranja
·        3 xícaras (chá) de farinha de trigo
·        1 colher (sopa) de fermento químico em pó
·        1 colher (sopa) de açúcar de confeiteiro para decorar
Modo de Preparo
Em uma batedeira, bata os ovos com a manteiga e o leite condensado até formar um creme fofo. Junte o suco de laranja e as raspas e bata mais um pouco. Desligue a batedeira, adicione a farinha de trigo e o fermento peneirados e misture delicadamente. Coloque porções da massa em formas de empada grandes (7cm de diâmetro), forradas com forminhas de papel. Leve ao forno médio-alto (200°C), preaquecido, por cerca de 30 minutos. Sirva polvilhado com açúcar de confeiteiro.
Dica:
- Se não tiver forminhas de papel, você pode apenas untar e enfarinhar as formas de empada.
- Ao final, você pode cobrir os muffins com leite condensado, inclusive adicionando a ele um pouquinho de suco de laranja ou raspas de casca de laranja.

Bacalhau na Nata

600 g. de bacalhau (dessalgado) em lascas
2 c. sopa de margarina
2 c. de sopa de maisena
1/2 l. de leite
2 cebolas picadas
6 batatas cortadas em quadradinhos
azeite
4 c. sopa de queijo parmesão ralado
1 c. sopa de mostarda
1 gema
200 ml. de creme de leite
suco de um limão
sal e pimenta a gosto

Frite ligeiramente as batatas no azeite e deixe cozinhar um pouco mais. Em outra panela, refogue a cebola em um pouco de azeite. Adicione o bacalhau e as batatas, deixando cozinhar por uns 3 minutos. Tempere com sal e pimenta e reserve.

Em outra panela, derreta a margarina ou manteiga, junte a maisena, regar com leite e temperar com pimenta. Deixe ferver. Em seguida, retire do fogo e junte a gema, o creme de leite, o suco de limão e a metade do queijo parmesão.

Coloque a metade desse creme sobre o refogado de bacalhau. Mistura tudo e coloca numa travessa, cobrindo a mistura com o restante do creme. Polvilhe o resto do queijo parmesão ralado e leve ao forno para gratinar.

As azeitonas pretas colocadas por cima, foram por minha conta... pra dar uma enfeitada ao prato ;)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Risoto Primavera


Ingredientes
·        2 colheres (sopa) de óleo
·        1 cebola pequena , picada
·        1 cenoura , cortada em cubos pequenos
·        2 xícaras (chá) de arroz parboilizado lavado e escorrido
·        meia xícara (chá) de vinho branco seco
·        3 tabletes de caldo de legumes
·        1 abobrinha pequena cortada em cubos
·        meia xícara (chá) de ervilha em conserva
·        meia xícara (chá) de pimentão amarelo sem pele, cortado em cubos
·        meia xícara (chá) de pimentão vermelho sem pele, cortado em cubos
·        meia xícara (chá) de champignons fresco , fatiado
·        4 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
·        1 lata de creme de leite
Modo de Preparo
Dissolva os tabletes de caldo de legumes em um litro de água fervente e reserve-o mantendo-o aquecido em fogo baixo. Em uma panela, aqueça o óleo, refogue a cebola e a cenoura. Junte o arroz e deixe-o fritar um pouco. Adicione o vinho e deixe-o evaporar. Coloque os legumes picados, acrescente pouco a pouco o caldo reservado, mexendo sem deixar o arroz secar. Proceda desta forma até que todo o caldo tenha sido absorvido e o arroz esteja al dente e ainda molhado. Retire do fogo, misture o queijo parmesão, o creme de leite e sirva a seguir, como prato único.

Risoto à la Piemontese... ou Risoto piemontês, como costumo chamar.

·        2 tabletes de caldo de galinha
·        4 colheres (sopa) de manteiga
·        150 g de presunto cortado em cubos pequenos
·        1 cebola
·        1 xícara e meia (chá) de arroz arbório
·        1 xícara (chá) de vinho branco seco
·        1 xícara (chá) de champignons fatiado
·        1 lata de creme de leite
·        meia xícara (chá) de queijo parmesão ralado
Modo de Preparo
Ferva um litro de água e adicione os tabletes de caldo de galinha. Mexa até que os tabletes tenham se dissolvido. Abaixe o fogo e tampe a panela. Numa panela média, derreta a manteiga e refogue ligeiramente o presunto e a cebola. Adicione o arroz e o vinho branco. Mexa cuidadosamente até que o vinho tenha sido absorvido. Junte aos poucos o caldo de galinha fervente até que o arroz esteja al dente. Coloque os champignons, o creme de leite e metade do parmesão. Aqueça bem, mexendo com cuidado para que o arroz não quebre. Retire do fogo e sirva a seguir, polvilhado com o restante do queijo.

Torta Suspiro de Amor


            Massa
·        2 ovos
·        2 colheres (sopa) de açúcar
·        2 colheres (sopa) de farinha de trigo
Em uma batedeira, bata os ovos até dobrar de volume. Acrescente o açúcar e bata até ficar bem fofo. Misture delicadamente a farinha. Despeje em fôrma de aro removível (24cm de diâmetro), untada e enfarinhada, e asse em forno-médio alto (200ºC), preaquecido, por 20 minutos. Caso não possua fôrma de aro removível, faça a massa da torta em uma fôrma redonda de mesmo tamanho, untada e com papel manteiga. Quando estiver assada, retire a massa da fôrma e monte a torta em um prato bonitoReserve.

           Recheio
·        1 lata de leite condensado
·        1 medida (lata) de leite
·        3 gemas
·        2 colheres (sopa) de maizena
·        meio quilo de morangos
Misture bem em uma panela média o leite condensado, o leite, as gemas e a maisena e leve ao fogo até engrossar, mexendo sempre. Abaixe o fogo e cozinhe por mais dois minutos. Desligue e deixe esfriar. Separe alguns morangos para decorar, pique o restante em quatro partes e misture ao creme de leite condensado já frio. Reserve.

           Merengue
·        1 xícara (chá) de açúcar
·        3 claras
·        cobertura de morango para decorar
Em uma panela, misture o açúcar com meia xícara (chá) de água e leve ao fogo, sem mexer, até obter uma calda em ponto de fio. Enquanto a calda se forma, bata as claras em neve. Não desligue a batedeira e despeje a calda em fio quando estiver no ponto. Bata até que a tigela da batedeira esfrie.

           Montagem:
Retire o aro da fôrma, espalhe o recheio sobre a massa e distribua o merengue em toda a superfície da torta. Faça desenhos com a cobertura de morango sobre o merengue e leve à geladeira por 4 horas. Desenforme e decore com o morango reservado.

            O nome é meio romântico (talvez seja boa para o dia dos namorados) e a foto não faz jus à delícia que é esta mistura clássica de morango com merengue. 

Frango da Vovó

300g. de peito de frango cozido e desfiado (ou cortado em cubinhos).
1/2 x. chá de ervilhas
1/2 x. chá de milho
1 lata de molho de tomate
300 ml. de leite
1/2 envelope de creme de cebola
1 caixinha de creme de leite
1 copo de requeijão
1 x. chá de batata palha

Em uma panela, coloque o frango com a ervilha, o milho e o molho de tomate. Leve ao fogo baixo por cerca de 5 minutos ou até ferver. Reserve. Em uma panela grande, dissolva o creme de cebola no leite e leve ao fogo por cerca de 5 minutos, após iniciar a fervura. Desligue o fogo e misture o creme de leite. Em um refratário (22 X 35 cm.), coloque uma camada de frango e uma camada de creme. Despeje o requeijão e leve ao forno médio-alto (200°) pré-aquecido, por cerca de 15 minutos ou até gratinar. Sirva polvilhado com a batata palha.

Receita super fácil de fazer e deliciosa!

Quiche de Abobrinha


Massa
·        1 xícara e meia (chá) de farinha de trigo
·        2 colheres (sopa) de manteiga
·        meia lata de creme de leite
·        1 colher (chá) de fermento químico em pó
·        1 colher (chá) de Fondor Maggi
·        farinha de trigo para polvilhar
Recheio
·        2 abobrinhas grandes (350g)
·        3 ovos
·        meia lata de creme de leite
·        1 colher (sopa) de farinha de trigo
·        meia colher (sopa) de Fondor Maggi
·        1 xícara (chá) de queijo suíço ralado
·        1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado
Modo de Preparo
Peneire a farinha em um recipiente, faça uma cova no centro e coloque aí a manteiga, o creme de leite, o fermento e o Fondor Maggi. Vá amassando suavemente até obter uma massa lisa, que não grude nas mãos. Deixe descansar por 30 minutos. Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada, forre o fundo e as laterais de uma forma de aro removível (25cm de diâmetro), apertando com os dedos e formando uma borda. Fure o fundo da massa com um garfo e leve ao forno médio (180ºC) para assar por cerca de 20 minutos. Enquanto isso, prepare o recheio. Raspe um pouco a casca das abobrinhas e rale-as no ralo grosso, em uma tigela. Junte às abobrinhas raladas, os ovos, os queijos, o creme de leite, a farinha de trigo e o Fondor Maggi. Despeje sobre o fundo da massa pré assada e leve ao forno médio (180º C) por mais cerca de 1 hora, ou até que a superfície esteja dourada. Sirva bem quente.
Dicas:
Você pode substituir o queijo tipo suíço (Gruyère ou Emmenthal), por queijo prato. 

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Cheesecake (de Framboesa)

Em homenagem a minha irmãzinha, que parece ter gostado bastante deste cheesecake e que tem se mostrado por vezes atarantada na cozinha, coloco esta receita super fácil e deliciosa do tradicional "bolo de quejo". 
Bom, saí pesquisando na internet por receitas tradicionais de cheesecake porque dia destes fui ao supermercado e quase piro na batatinha ao avistar um pacote de framboesas congeladas. Como isso é coisa raríssima de se encontrar por estes lados, me agarrei com o pacote com pretensões de fazer uma sobremesa gostosa com ele. De fato, preparei uma calda de framboesa da maneira que explicava no verso da embalagem: 

Em uma panela, coloque:
um pacote de framboesa congelada (retira do congelador uns minutos antes)
Raspas da casca de um limão (também esprimi um pouco do suco de uma das bandas do limão).
Cerca de 2 xícaras de açúcar refinado e peneirado
Uma colher de sopa de maisena dissolvida em uma xícara de chá de água.

Leva tudo ao fogo e deixa ferver e engrossar um pouco, para ficar com uma consistência de geléia de framboesa. Em seguida, retira do fogo e deixa esfriar. 

Detalhe: dá bastante geléia. Deu até para colocar em potinhos de vidro, devidamente esterilizados, e guardar na geladeira, para a próxima ocasião. Caso você não encontre as framboesas congeladas ou não queira ter o trabalho de fazer essa geléia, acredito que se pode usar geléia já pronta, de qualquer sabor: amora, morango, framboesa... Há quem faça cheesecake com goiabada, um lance meio Romeu e Julieta. Como não sou muito fã desta mistura, prefiro as geléias mais azedinhas. 

Bom, agora, o cheesecake:

Para a massa
200g. de biscoito maisena ou Maria esmigalhados no liquidificador até virar farinha
2 colheres de sopa de manteiga (sem sal) em temperatura ambiente.

Mistura os ingredientes até formar uma massa. Forra o fundo de uma fôrma de aro removível (uns 25cm. de diâmetro) e leve ao forno médio pré-aquecido por cerca de 10 minutos, só pra dar uma assada na massa. Depois retira do forno e deixa esfriar, enquanto faz o recheio.

Para o recheio:

1 lata de leite condensado
200 gr de Cream Cheese (um pacote inteiro e mais 1/3)
12 gr de gelatina incolor sem sabor
1 caixa de creme de leite

Numa batedeira, bata o leite condensado e o cream cheese por 5 minutos. Acrescente o creme de leite e a gelatina dissolvida em 5 colheres (sopa) de água quente.  Coloque o recheio sobre a massa reservada leve a gelar por 3 horas. Quando o recheio já estiver durinho (por conta da gelatina), retira a tora da fôrma, coloca em um prato e daí decora com a geléia. Manter na geladeira!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Pollo (Frango) a la Jardinera (Receita Cubana... ao menos assim dizia)

 Esta receita foi feita pela primeira vez para um jantar de despedida das aulas de espanhol. Estava no Britanic e era aluna de Ciro, meu professor querido. Ele é cubano e inventamos de fazer uma despedida na casa de uma amiga, com música e jantar com pratos cubanos. Catei na internet uma receita e encontrei essa em um site de receitas em espanhol. Foi a primeira receita que segui em espanhol e deu muito certo. Faz tempo que não faço... é até uma boa idéia repetir o sucesso. Todos gostaram bastante e voltei com o pirex vazio. Um luxo!!!

Ingredientes:

1kg. de filé de peito de frango cortado em cubinhos e temperado a gosto (limão, sal e pimenta)
½ xícara de milho
1 cenoura ralada ou cortada em quadradinhos
2 ramos de aipo picados
1 lata de abacaxi em calda cortado em quadradinhos (guarde a calda!)
3 colher de sopa de azeite ou óleo
1 colher de sopa de manteiga
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 ou 2 tabletes de caldo de galinha
200ml. de leite com mais duas colheres de sopa bem cheias de leite em pó. Esquente um pouco o leite.
Sal e pimenta a gosto.

Modo de fazer:

Em uma panela, em fogo baixo, derreta a manteiga; incorpore a farinha e em seguida coloque o copo de leite, já esquentado, devagar e mexendo constantemente com a colher de pau, até que engrosse, como em um molho branco.

Em outra panela, leve ao fogo o azeite ou óleo, adicionando as verduras e o frango temperado com sal e pimenta. Cozinhe por uns 15 minutos.

Agregar o abacaxi, ½ xícara da calda de abacaxi, o molho branco preparado anteriormente, os tabletes de caldo de galinha e deixe cozinhar por mais uns 15 minutos, mexendo de vez em quando.

Feijoada

Vários meses depois da primeira tentativa (bem sucedida, por sinal), fiz novamente uma feijoada. Cozinhei ontem e ainda sobrou pra hoje. Depois que "apura", fica ainda melhor, néam?
 
Como deu certo novamente, vim dividir a receita básica com vocês. Claro que tudo pode ser incrementado com couve cortada em tiras finas e refogada na manteiga (ou azeite), uma farofinha de bacon e ovos, arroz branco e as tradicionais rodelas de laranja. Ahhh, dia desses provei uma feijoada que tinha vinagrete como acompanhamento. Também ficou muito bom.
  
Normalmente compro o kit feijoada. Aquelas embalagens fechadas a vácuo (tem da Sadia e de outras marcas). Além disso, coloco um pouco mais de bacon, lingüiça calabresa e carne de charque, pois as "carnes" que vêm no kit, são pura gordura e só servem pra dar gostinho. Eu, particularmente, depois de cozida, tiro todas aquelas pelancas e jogo fora. Pode ser um pecado, mas minhas artérias agradecem.
Para um kit de feijoada (com as adições extras de carne), uso 1/2 kg. de feijão, mais ou menos. Catei o feijão na véspera, à noite, e o coloquei numa vasilha com água suficiente para cobrir os feijões e ficar uns 2 dedos acima), para que fosse hidratado.
  
No dia seguinte, coloquei um pouco de óleo na panela de pressão e refoguei 1/2 cebola e dois dentes de alho ralados. Em seguida, juntei o feijão que foi hidratado e escorrido (se bem que já não resta quase nenhuma água), refoguei um pouquinho e coloquei água por cima, cobrindo todos os feijões e mais uns 4 dedos acima da linha deles. Fechei a panela de pressão e cozinhei até que começasse a sair vapor. Desta fase em diante, são mais uns 20 minutos de cozimento.
  
Enquanto isso, na sala de justiça, vou lavando as carnes do kit e a carne de charque cortada em pedaços. Estas carnes salgadas devem ser cozidas duas vezes em água limpa. Após a primeira fervura, você escorre e coloca novamente no fogo com mais água limpa. Dada a segunda fervura, escorre e aguarda para colocar estas carnes pré-cozidas no feijão. Se coloca para cozinhar tudo junto, você terá grandes problemas com sal. Nada que umas batatas e mais quilos de feijão não resolvam, mas dá trabalho. Assim, é melhor lavar e ferver as carnes antes de misturá-la à panela de pressão.
  
Quanto ao bacon e à calabresa extra, não precisa ferver porque eles não vêm com tanto sal assim. Corta em pedacinhos e em rodelas, respectivamente, e aguarde o momento de jogar tudo no panelão.
  
Após o cozimento do feijão, espere sair toda a pressão da panela. Deixa ela lá, fora do fogão, quietinha, soltando todo vapor até ficar caladinha. Do contrário, a explosão será feia :)  Tenho maior medo de explodir minha cozinha com o uso errado da panela de pressão. Tanto é que só comprei minha primeira clockinha (como diria Ofélia), há menos de 1 ano (e já moro só há 6 anos!!! Foram 5 anos sem feijão!!!).
  
Quando puder abrir a tampa da panela de pressão, adicione as carnes já dessalgadas e as carnes extra. Coloque duas folhas de louro e 1/2 litro de água fervente e deixe cozinhar.
  
Prove para ver se o feijão está molinho e se está bom de sal. Se ficar sem gosto, você pode colocar um sachê de "Meu Feijão". Por outro lado, se ainda estiver salgado, mais um pouco de água fervente. Cozinha mais um bocado até engrossar o caldo.
  
Na hora de servir, eu retiro as "langanhas": gordura, ossos, pé de porco, etc... estas coisas que acho nojentinhas mas que deixam um gosto maravilhoso no feijão. Deixo lá dentro só as charques sem gordura e as calabresas. Até o bacon eu retiro. Mas quem quiser comer com tudo, está às ordens.
  
Na verdade, é difícil uma feijoada ficar ruim... assim, pode contar com a sorte de principiante porque é muito provável que seu prato seja um sucesso! E se da segunda vez os elogios se repetem, é porque já aprendeu mesmo a fazer uma feijoadinha boa.
  
Ahhh, antes de servir, que tal tirar um pouco do caldo para oferecer em copinhos com azeitona, ovo de codorna e uma cachaça de tira-gosto?

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Gratinado de Palmito

Um dos meus pratos favoritos. Por certo tempo eu substituí o creme de leite por creme de soja (solly's, da Nestlé) e ficava um pouco mais light. Hoje em dia já não encontro estas caixinhas de creme de soja e voltei ao creme de leite mesmo.

1 vidro (dos grandes) de palmito em cubinho
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de farinha de trigo
1 stick de Meu Segredo (Maggi)
1 caixa de creme de leite
4 fatias de pão de forma esfareladas
azeite para untar

Modo de Preparo
Escorra o palmito e refogue-os em uma panela com o azeite aquecido. Junte a farinha de trigo, mexendo sempre, até dourar. Acrescente o stick de Meu Segredo (Maggi), uma xícara (chá) de água fervida, mexa e deixe ferver por cerca de 5 minutos. Desligue o fogo e junte o creme de leite. Em um recipiente refratário quadrado (21 x 21 cm) untado coloque uma camada de pão de fôrma esfarelado e cubra com o refogado de palmito. Leve ao forno médio-alto (200°C), preaquecido, por cerca de 15 minutos ou até dourar. Sirva.

Lombo na Caipirinha

Para não dizerem que sou uma formiga que só faz doces e sobremesas. Também faço comida de panela, pessoal! :)
Esta receita fiz durante o carnaval, para um almoço mais que especial onde estiveram presentes meus amigos Martín e Janaína.
Foi um dia maravilhoso, com petiscos, música, conversas, pisco sour, comidas e fluffy!!! Receitinha já postada aqui no blog.
Este é um lombo na cachaça. Mas não sendo suficiente estar na pinga, ainda leva limão e açúcar. Como isso me soou a caipirinha, achei por bem batizá-lo de "Lombo na Caipirinha". Vamos lá:

Ingredientes

3 dentes de alho picados
2 cebolas médias picadas
2 colheres (sopa) de alecrim picado
1 colher de sobremesa de pimenta-rosa
1/3 de xícara de azeite
1 xícara de cachaça
1/4 de xícara de suco de limão
1/4 de xícara de açúcar mascavo
Sal a gosto
1,5 kg de lombo de porco
1,5 kg de macaxeira (mandioca) em fatias

Modo de preparo

Em um pirex, tempere o lombo com o sal, alho e cebola. Reserve. Em uma tigela pequena, misture o alecrim, a pimenta, o azeite, a cachaça, o suco de limão e o açúcar. Este molho é um show a parte. Fica lindo! Dourado (isso foi tão Nigela!). Mas vejam só que gracinha:


 Em uma assadeira, disponha a carne e a macaxeira e regue com o tempero. Cubra com papel-alumínio e leve ao forno quente (200 ºC), preaquecido, por uma hora e 30 minutos ou até a carne ficar macia. Retire o papel alumínio, asse por mais 40 minutos ou até a carne dourar e sirva.

Torta Holandesa

Esta é uma receita da revistinha da Nestlé. Não diria que é A torta holandesa original, mas que de qualquer forma fica uma delícia, isso sim, posso garantir. Já fiz 2 ou 3 vezes e sempre é um sucesso. Fica bem elegante. Apesar de um pouco difícil de partir logo que tiramos do congelador. Mas nada que 5 minutinhos fora do frio não resolva ;)


·  Cobertura
meia caixa de creme de leite
100 g. de chocolate meio amargo ou ao leite, se preferir mais doce
·  Massa
1 pacote de biscoito maisena ou Maria
100 g de manteiga
1 caixa de biscoito Calipso
·  Recheio
meia caixa de creme de leite
3 colheres (sopa) de açúcar
meio pote de sorvete de creme (mais ou menos 1 litro)

Modo de Preparo
Bata o biscoito no liquidificador até obter uma farofa fina. Coloque esta farofa em uma tigela, junte a manteiga e misture até obter uma massa homogênea. Reserve. Coloque os biscoitos calipso em toda lateral de uma fôrma de aro removível (26 cm de diâmetro), forre o fundo com a massa de biscoito e reserve. Bata o creme de leite com o açúcar e o sorvete na batedeira e coloque o recheio sobre o fundo de massa reservado. Cubra com papel de alumínio e leve ao freezer por cerca de 12 horas. Derreta o chocolate picado em banho-maria e mexa para que não fiquem bolinhas. Junte o creme de leite, mexendo até formar um creme homogêneo. Espere esfriar, cubra a superfície da torta e sirva.
Depois de pronta, mantenha a torta no freezer.

Sobremesa de Bis


Sobremesa mais fácil de fazer do que esta, não há.

O maior trabalho que dá é desembalar os chocolates e depois ter que lavar o liquidificador. Mas como se costuma dizer, não há como fazer omelete sem quebrar os ovos, né verdade?

Mamãe e minha irmãzinha costumam fazer esta delícia com o bis de chocolate. Desta vez dei uma inovada e usei o Bis de limão. Ficou tuuuudo de bom! Acho que um pouco mais doce que o de chocolate, mas igualmente gostoso.

Receita:

Uma caixa de chocolate Bis de sua preferência (pode ser o chocolate ao leite, chocolate branco ou o de recheio de limão).

Uma lata de leite condensado

Uma caixa de creme de leite.

Bate tudo no liquidificador e leva ao congelador.  Prontinho!!! Fica bom ainda molinho, como um creme gelado, como também quando já congelou e fica como um sorvete. Bom de todo jeito!!!

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Pudinho de Leite de Moça


Sabe o difícil que parece fácil? É esta receita.

Todo mundo conhece (ou pelo meno deveria conhecer) o pudim de leite condensado. Por que não dizer, o pudim de leite moça.

Passei minha infância comendo esta sobremesa. Mamãe faz divinamente. Ou fazia, já que há séculos ela não prepara estas coisas gostosas, com a desculpa de que não sabe cozinhar ou - a mais esfarrapada de todas - de que não faz para não engordar. O engraçado é que quando ela fazia era mais magra. Não será porque agora, não tendo em casa, ela come na rua? Enfim... essa minha mãezinha é toda enrolona para escapar da cozinha. Não sei a quem puxei gostando de cozinhar.

Este ano fiz pela primeira vez a tal receita de pudim de leite moça. Por um triz ele não vai ao lixo. Porque não acertei no ponto. De gosto ficou delicioso. Como costumam ser. Mas é bem complicadinha a técnica.

Para começar, temos que caramelizar uma forma de buraco no meio, o que por si só já é complexo.

Derreta 1x. de açúcar (granulado) até ficar dourado. Junte meia xícara (chá) de água quente e mexa com uma colher de cabo longo. Deixe ferver até dissolver os torrões de açúcar e a calda engrossar. Vá girando a forma e forre com a calda. Reserve. 
 
Em um liquidificador, bata 1 lata de leite condensado, 3 ovos (sem a pele da gema, lembrem-se!) e duas vezes a medida (da lata usada) com leite integral. Despeje na fôrma reservada. Cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio (180°C), em banho-maria, por cerca de 1 hora e 30 minutos. Depois de frio, leve para gelar por cerca de 6 horas. Sorte ao desenformar!!! Sirva a seguir e me conta se deu certo. Tenho que tentar uma vez mais antes de aderir aos pudins que encontro nos restaurantes e padarias :)

 

Batatas a Gomes de Sá


Esta receitinha é uma versão feita por minha santa Mãezinha do tradicional Bacalhau a Gomes de Sá.

A bichinha não leva na esportiva quando a gente brincava dizendo que só encontrávamos batatas na comida e nada de bacalhau. Desde então, cada vez que vai fazer a receita, ela coloca mais e mais bacalhau. Mesmo assim, tem que ficar ouvindo nossas piadinhas de que está delicioso suas "batatas a Gomes de Sá".

Aprendi a fazer a receita esse ano. O detalhe é que sempre que vou fazer, compro aquele bacalhau congelado. Daqueles que NÃO SÃO SALGADOS. Digo isso porque, diferente de quase todas as receitas de bacalhau que encontramos por aí, nesta aqui não vai haver a recomendação de dessalgar na noite anterior.

Se prepara mais ou menos assim:

1/2 kg. de bacalhau. 

Tira aquela pele grossa e corta em pedaços menores. Não precisa desfiar agora, já que depois de cozido ele faz isso por si só.

Esquenta em uma panela um pouco de azeite e adiciona 1 cebola cortada em cubinhos. Após refogar, junta o bacalhau e deixa cozinhar um pouco. Pode colocar uma pitadinha de sal.

Em outra panela, descasque e corte umas 3 batatas em rodelas. Leva ao fogo até ficarem macias (sem deixar esmigalhar, para não virar papa, porque depois levaremos tudo ao forno por mais um tempo.

Depois que o bacalhau está cozido, você mexe a panela com a colher de pau e ele vai se "esfarelando", desfiando sozinho. 

Em um pirex que vá ao forno, pincele o fundo e as laterais com bastante azeite e põe o bacalhau cozido. Por cima, arruma as rodelas de batatas. Também se costuma colocar rodelas de cebolas, azeitonas pretas e ovos cozidos. 

Como detesto ovo cozido e nem sequer suporto seu cheiro em minha cozinha, substituí os ovos por brócolis aferventado e escorrido. Acho que foi uma ótima troca!!!

Rega tudo com bastante azeite e leva ao forno por uns 20 minutos. Super fácil e aparenta um trabahão danado. Sem falar que deixa um toque de classe à refeição. Para momentos especiais :)

Pavê de Goiabada


Fiquei reticente em colocar esta receita aqui, porque achei que a produção poderia ser muito complexa. Mas acredito que com bastante atenção e em um dia com muito tempo livre, todos poderão prepará-lo.

Goiabada em barra (as mais molinhas são mais recomendáveis, por serem mais fáceis de partir e bater no liquidificador).
Creme de leite.

Após a revelação dos ingredientes secretos, o modo de fazer:

Para cada 200 g. de goiabada picadinha, 1 caixa de creme de leite.
Para dar esta quantidade da foto (que não foi muito), usei 400g. de goiabada e 2 caixas de creme de leite.
Bate tudo no liquidificador e leva ao freezer.

Pronto! Era só isso :)

Macarrão a Carbonara


Esta receita é para quem está com a taxa de colesterol em dia.
Aos que estão no limite, o prato está liberado uma vez ao ano.
Para quem ultrapassou a linha, melhor se afastar deste post agora... a tentação é grande!

Semana passada eu preparei uma porção para mim e publiquei a foto no Facebook. Sucesso de comentários. Por isso, retomo meu bloguinho tantas vezes esquecido com esta receita facílima e deliciosa!

Como já sabem, não sou muito de medir quantidade quando não estou diante de um livro de receita com tudo medido e pesado. Mas no olhômetro dá pra gente ter uma idéia de quando está bom ou se falta um pouco mais de algum dos ingredientes.

Dizem que o segredo do carbonara é que o ovo batido vai por cima do macarrão bem quente, sem que chegue a cozinhar. Como tenho meu pé atrás com ovo cru, eu sempre dou uma mexidinha no fogo, só por desencargo de consciência.

Cozinhe em água fervente com uma pitada de sal e um fio de óleo, o macarrão de sua preferência (uso sempre lingüine). Esta é uma receita para uma pessoa.

Em um prato fundo, bata um ovo inteiro (eu sempre, sempre, para todas as receitas, tiro a pele da gema) e acrescente umas duas colheres de queijo parmesão. Pode adicionar também raspas de noz moscada e um pouquinho de pimenta do reino. Bata mais um bocado e reserve.

Numa panela, frite cubinhos de bacon (duas colheres de sopa, mais ou menos). Quando estiverem crocantes, coloque uma colher de sopa de manteiga e deixe derreter. Após escorrer o macarrão, coloque-o nesta panela com manteiga e bacon e misture mais. Jogue por cima a mistura de ovo, queijo e temperos e misture um pouco em fogo baixo. Você percebe que o ovo fica um ponto menos do que quando é frito e mexido.

Ao final, pode-se adicionar creme de leite e logo o retira do fogo.

Está pronto! Mas não conte ao seu cardiologista, ok?

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Suspiro Limeño


Esta veio direto do nosso vizinho. É do Peru!!! Suspiro limeño (ou limenho), diferentemente do que pensava, não só eu, como algumas outras pessoas com quem comentava, não leva limão, nem lima. O nome vem de Lima, capital do Peru. É uma sobremesa tradicional daquele país, encontrado também no Chile querido. Por aqui podemos encontrá-lo em restaurantes peruanos (cada vez mais bem cotados no mundinho da gastronomia) e até em blogs de receitas. Esta versão foi retirada de um livrinho de receitas tradicionais do Peru que comprei semana passada, quando estive naquelas terras. Imagino que seja o mais perto do original. De fato, após experimentá-lo este fim de semana, achei bem parecido aos mais gostosos que já provei (sem falsa modéstia), ainda que eu tenha me enrolado um pouco no merengue. Vamos à receita?

Ingredientes:

- 1 lata de leite condensado
- a mesma medida de "leche evaporada pura". Sem saber do que se tratava, pesquisei na internet e soube que é um leite bem concentrado que se vende por lá e em outros países também, inclusive sendo comercializado pela Nestlé. Por aqui não encontramos tal produto, mas segui a dica de uma moça em um dos sites de receita e deu super certo. Podemos fazer esta "leche evaporada pura" colocando leite integral na latinha vazia do leite condensado e adicionando 2 ou 3 colheres de sopa bem cheias de leite em pó integral. Fica mais consistente, cremoso.
- 5 gemas
- 1/2 colher de chá de baunilha.

Levamos o leite condensado e "la leche evaporada" ao fogo baixo, mexendo sempre, por volta de 1 hora, até ficar consistente, bem depois que ferve. Para acelerar o processo, coloquei na mistura de leite integral com leite em pó, uma colher de sobremesa de maisena, porque não estava a fim de passar a manhã inteira mexendo panela ;)

Depois que dá o ponto ( de uma papinha de leite ), desliga o fogo e adiciona as gemas, uma a uma, mexendo bem. Por último, coloca-se a baunilha. Dividimos esta mistura em 6 tacinhas (o mais bacana seria em copos de martíni. Na falta deles, coloquei em copos de caipirinha e também ficou charmoso). Espera esfriar.

Ingredientes do Merengue:

3 claras em neve
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de vinho do Porto branco.

Na receita original deveríamos fazer uma calda com o açúcar e o vinho, levando-os ao fogo e mexendo até que o açúcar dissolvesse e a mistura ficasse em ponto de fio, para assim ser adicionado às claras neve, formando uma espécie de marshmallow. Confesso que tentei 2 vezes e deu errado: na primeira vez, até que a mistura chegasse a ponto de fio, o açúcar queimava, deixando um sabor amargo ao merengue. Joguei fora. Tentei novamente, derretendo o açúcar antes de adicionar o vinho. Mas aí o açúcar formou pedrinhas e não derreteu mais. Também joguei fora. No final das contas, fiz um suspiro como sei fazer: 3 claras batidas em neve. Depois, adicionei 4 colheres de sopa de açúcar refinado peneirado. Bati mais um pouco e por fim, uma colher de sopa de vinho do Porto branco. Mistura bem e coloca o merengue sobre cada creme, em suas tacinhas. Ao final, polvilha um pouco de canela e põe para gelar (geladeira mesmo). Fica muuuuuuito bom!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Fluffy (ou, se você for elegante, Bavaroise)


Quem gosta de uma sobremesa levezinha, refrescante, que não pesa no estômago depois de uma lauta refeição?
Adoro ter como sobremesa pavês, pudins, tortas geladas, mousses, etc. Acho que combina mais com o pós-almoço ou pós-jantar do que um bolo, por exemplo.

Esta é uma dessas sobremesas que caem muito bem em qualquer momento. Além de facílima!

2 caixas de gelatina em pó, do mesmo sabor (sugiro a de morango. Já fiz experiências com outras, mas a de "murangos" continua a melhor);
1 copo de água fervente;
1 lata de guaraná gelado
1 caixinha de creme de leite
1/2 lata de leite moça.

Em um liquidificador, bata a gelatina com água quente. Depois, acrescente o guaraná gelado e continua batendo. Põe o creme de leite e bate mais. Pra finalizar, a metade de uma lata de leite condensado e bate, bate, bate. Depois, despeja num pirex e leva à geladeira. Fica pronta em umas 6 horas.

sábado, 19 de março de 2011

Macarrão Dona Carmen


Este prato é a cara da AOGMA (Associação O Gato Mamou Na Aranha... longa estória). Grupo formado na FDR (Faculdade de Direito do Recife), onde estudei entre 1993 e 1997 e de onde saíram meus melhores amigos até hoje. Nosso QG (quartel general - estou cheia de siglas hoje, não?) sempre foi a casa de d. Carmen e s. Élio, pais de Aninha (ou Kérolaine). Ia e voltava a gente estava lá: Aninha, eu, Breno e Cesar. E quando a gente chegava de surpresa, não faltavam as boas vindas e recepção gastronômica, fosse pelos petiscos preparados com capricho por Ana Maria (tia de Aninha), que nos servia sempre pãezinhos, torradinhas, patês, salsichas, salaminhos, castanhas, etc., fosse pelos pratos rápidos preparados por d. Carmen, especialmente sanduíches e este macarrão. Seguramente me demoro mais falando da estória do macarrão do que vocês levarão preparando. Como sempre, fiz algumas alterações na receita original, mas colocarei aqui como me foi ensinado e, logo abaixo, o que acrescentei.

Ingredientes:

Macarrão (espaguete ou lingüini são meus preferidos)
Creme de leite
Presunto cortado em tirinhas
Salsinha

Cozinha o macarrão em água fervente com um fio de óleo e uma pitada de sal. Quando você conseguir partir o macarrão com um garfo, ele estará pronto. Escorra o macarrão e o devolva à própria panela do cozimento. Aí dentro mistura o creme de leite e o presunto. Ao servir no prato, adiciona salsinha picadinha por cima. Também se pode polvilhar queijo parmesão ralado.

Já tirei e coloquei vários ingredientes e uma versão que gosto muito é a que substitui o verdinho da salsinha por ervilhas cozidas. Também já houve vez de colocar brócolis, quando me faltam as ervilhas. Substituir o presunto por salsicha não é lá essas coisas. Ao lado do creme de  leite também fica bom colocar uma colher de sopa de requeijão. As combinações são infinitas, mas a base é sempre uma delícia. 

Bolo de Cenoura


Outra falha detectada após observar estas fotos que ficam passando aqui à direita, no alto, das receitas que em breve estarão aqui: eu ainda não havia postado o Bolo de Cenoura!!! O preferido de Mateus :)

Mateus, meu rapazinho hoje com 12 anos, deu muuuuuuuuito trabalho para comer, entre os 2 e os 6 anos de idade. Ainda tem algumas restrições (não médicas e sim pessoais) a um monte de coisas e fazê-lo provar coisas novas não é assim tão fácil. Como quase toda criança, na verdade. Para tentar solucionar o problema dele quando era pequenininho e só tomava vitamina, matriculei ele numa escola que tinha lanche coletivo. Achei, acertadamente, que vendo outras crianças comendo, isso o estimularia a provar novas opções. Me lembro bem quando aos 5 ou 6 anos ele voltou animado da escola porque tinha provado bolo de cenoura. Ficava tão contente quando era dia de bolo de cenoura que aproveitei para buscar uma receita e tentar fazer em casa. Deu certo e ele adorava (ainda adora) sempre que faço.

Ingredientes:

3 cenouras grandes descascadas e cortadas em rodelas
5 ovos inteiros
1 xícara de óleo
2 e 1/2 xícaras de açúcar refinado
3 xícaras de farinha de trigo (pode ser com fermento, se não, adiciona uma colher de chá de fermento)
1 pitada de sal.

Em um liquidificador, bate todos os ingredientes, exceto a farinha de trigo com fermento e sal. Bate bastante até formar um creme homogêneo. Em seguida, coloca esta mistura em um pirex e aos pouquinhos vai adicionando a farinha, o fermento e a pitada de sal. Mexe bem, com cuidado para não empelotar. Despeje a mistura numa forma (de furo no meio) untada e polvilhada e leva ao forno médio, pré-aquecido, por cerca de 40 minutos ou até que o palito saia limpo. Ao final do cozimento, pode diminuir um pouco o forno, até o forno baixo.

Ao desenformar, pode-se acrescentar calda de chocolate ou brigadeiro. Fica bom de todo jeito! O bolo fica bem fofinho e úmido, por conta do óleo, imagino.